radostia: (le vestido na grama)
2014-03-19 12:52 am

Quatro

1. Anthony

Era uma música a quatro mãos. anos )

radostia: (le cabelo ao vento)
2013-05-01 10:46 pm

batatas ou porra

Já era quase o pôr do sol, e a mancha não saía. Seus dedos estavam enrugados e machucados, e o suor molhava as costas e o peito da camisa que usava. Respirava fundo, mordia o palito de dentes, estalava a língua e deixava fugir o ar, e continuava a esfregar o tecido contra a tábua. Não comia nada desde o amanhecer.

tomáz, tobias e antônios )

radostia: (les botas)
2013-05-01 10:42 pm

extra-ordinário

Fazia tanto tempo que ninguém vinha à minha casa que eu já nem lembrava quanto tempo. Fazia tempo também que eu não ia à casa de alguém ou ao menos saía com outra pessoa. Sou eu, o gato, a cadela e o canário. Adônis, Mirna e Freddie. Provavelmente gasto mais com a comida dos três que com a minha. Adônis é um fresco que só come daquelas rações caras com gosto de salmão e ervas finas que não se vendem nas mesmas sacas de não sei quantos quilos que compro para Mirna. É um fresco que quer comida com molhinho e depois quer que lhe limpem a cara enjoada. Já a cadela é uma vira-lata misturada de não sei o quê que não tem mimimi nenhum, come a própria ração, se o Adônis bobear, come a dele, e, se tiver como alcançar a gaiola do Freddie, surrupia as rodelas de banana e os pedaços de alface que prendo na grade; depois disso ainda quer comer o rolo de papel higiênico e mascar o controle remoto da TV e o pé da cama. Não dá para comer no sofá sem trancá-la antes em algum lugar.

sapatilhas )

radostia: (le cabelo ao vento)
2013-03-19 02:25 pm
Entry tags:

Epílogo iv

Ele tinha as mãos repousadas na cama, ao lado do corpo, sobre a manta de retalhos que o cobria até a cintura. Em ambos os braços, bandagens cobriam o local de inserção de vários tubos vermelhos e incolores, ligados a uma única máquina branca e robusta, encostada à parede do quarto. O pijama hospitalar estava entreaberto e deixava seu peito à mostra, muito mais magro do que eu recordava. Dolorosamente magro. A cor de sua pele se aproximava da fábrica verde esbranquiçada que o cobria. Da base de seu pescoço, acoplado a uma placa azulada, saía um tubo incolor que se conectava a um cilindro no qual um diafragma se expandia e contraía. Seus lábios estavam ressecados; suas bochechas, profundas, e seus olhos também – naquela face lívida, eram a única parte escura. E não se abriram em momento algum. Seu cabelo era tão escuro quanto o meu e crescera desordenadamente. Em algumas partes, simplesmente não crescera.

a caixa de pandora )

radostia: (les botas)
2013-03-19 02:21 pm
Entry tags:

Epílogo iii

Parecia que Mansfield passara a viver em meu apartamento. Lembro ouvi-lo relatar algo sobre embriaguez e ter confundido minha casa com a dos pais, o que torna possível imaginar o que se sucedera então. Mas a verdade é que apenas tenho a impressão de que sua presença tornara-se longa e contínua e, por outras vezes, desaparecia por o que poderiam ter sido horas ou meses, embora primeira opção fosse mais provável. Outra verdade é que qualquer noção de tempo que ainda me restava fora estraçalhada com a visita de Knowles. O gosto ruim em minha boca permaneu mesmo depois sua retirada, e nosso encontro me parecia, ao mesmo tempo, tão recente e tão distante que eu não saberia dizer se acontecera há dias ou há poucos minutos.

batatas fritas e resoluções )

radostia: (le café)
2013-03-19 02:18 pm
Entry tags:

Epílogo ii

Acordei sob o soar da campainha. Xinguei e tentei ignorar. Quem quer que fosse, poderia voltar outra hora ou nunca mais, de preferência. Algo gemeu ao meu lado e lembrei que Mansfield aparecera durante a madrugada, cheirando a vodka e pedindo que o chamasse de vagabunda. O maldito da campainha desistiu e pôs-se a bater insistentemente à porta. Mansfield desvencilhou-se das cobertas, gritou que já o atenderia, tropeçou nas próprias pernas e rolou da cama para o chão, onde acomodou-se e voltou a dormir.

entreaberto )

radostia: (le vestido na grama)
2013-03-19 02:11 pm
Entry tags:

Epílogo i

O timer do forno disparou, e anotei mentalmente para levantar-me no próximo intervalo – um homem estava tentando comer cem baratas vivas em três minutos. Antecipei o momento de ir buscar o jantar quando, na 39ª, ele vomitou. Descruzei as pernas e fui à cozinha, retirei a pizza semicarbonizada do forno, joguei uma fatia num prato de sopa que achei no armário e retornei à televisão. Deixei-me cair no sofá e coloquei os pés sobre a pilha de jornais não lidos que tinha sobre a mesa de centro. Uma mulher estava numa banheira, coberta de baratas até o nariz. Estavam contando o tempo?

pizza e cerveja )

radostia: (Default)
2013-03-16 11:54 pm

Relapso

O barulho vibratório do celular contra o chão de madeira o fez despertar. A consciência demorou a vir, enevoada, trazida de longe pelo som repetitivo, irritante. As mãos tatearam cegas pelo chão até encontrarem o aparelho, apertaram os botões que encontraram até que uma voz fraca soasse através do auto-falante. A voz distante de George perguntava onde estava. Tentou respondê-lo, mas percebeu que não sabia. Tentou dizer-lhe isso, mas percebeu que não conseguia encontrar a própria voz.

agulhas )

radostia: (le chão de madeira)
2012-08-13 02:03 pm

comodidade

Você tá lá com ela na cama, no meio dos três edredons que têm usado para poderem dormir, e ela tá te beijando com vontade, arranhando as suas costas e as suas coxas, apertando a sua bunda, e aí você acha que já ta na hora de tirarem a segunda parte das roupas. Você morde os lábios dela, o queixo, o pescoço, sorri com o suspiro que ela solta e beija o colo dela, e ela pergunta se seria melhor dar uma gorjeta maior pro eletricista porque é Natal.


calcinhas )
radostia: (les gatos)
2012-05-31 08:09 pm

quarta-feira

Era quarta-feira.

dia de... )
radostia: (le chão de madeira)
2012-05-20 09:25 am

Resignação

O relógio não marcara ainda as sete horas quando a porta se abriu e deixou passar por si o ruivo, que trazia no braço uma sacola de papel e na mão um suporte contendo dois copos de café. "Você dormiu, ao menos?" ele perguntou depois de colocar tudo, inclusive as chaves, a carteira e o cachecol sobre o balcão da cozinha, sem parecer surpreso por encontrá-lo já desperto. A jaqueta, que não usava na noite anterior, foi pendurada atrás da porta.



fim )
radostia: (les patitas)
2012-05-01 12:16 pm

O Pianista

Não sabia dizer se primeiro aprendera música ou se ela o prendera antes, já não se recordava de outra coisa. Dia e noite, um pianista de dez mãos tocava e tocava duas, três, às vezes cinco peças diferentes, e as acompanhavam vozes muitas vezes incorpóreas com solfejos e palavras de poemas que lera ainda na adolescência e o atormentavam quase incessantemente, pois o pianista, embora precisasse também de sono, necessitava dele com menos frequência que a psique onde habitava.



schöne Welt )
radostia: (le chão de madeira)
2012-04-18 03:58 pm

Morena

Eu sentia seus pelos arrepiados com os lábios enquanto distribuía beijos em sua pele. Ela tinha uma boca quente, carnuda, que deixava escapar suspiros baixos cada vez que eu a beijava, não importava se era naquela boca ou no corpo. Ela era sensível, e dizia a mesma coisa de mim. Sempre fui, e sempre preferi as sensíveis. As de pelos arrepiados e suspiros inacabáveis.



( arrepio )
radostia: (le cabelo ao vento)
2012-04-09 03:36 pm

Escuro

Ela havia deixado o aposento há algum tempo. Levantara-se e saíra em silêncio, deixando-me para trás apenas com uma rápida carícia no dorso de minha mão. Podia ouvir, vindos da sala, sons que denunciavam objetos sendo movidos dentro de gavetas e armários – arriscaria dizer serem os CDs. Reconhecia o barulho que as capas de plástico faziam umas contra as outras.

( sobre o tapete )
radostia: (le chão de madeira)
2012-02-24 01:55 pm

whisky on the rocks

George deixou a bolsa de viagem sobre a colcha branca após ter enfim desistido de acomodar-se no sofá. Reuben ocupava-se em procurar provisões nas gavetas da cômoda encostada à parede, na direção dos pés da cama. O silêncio que se instalara no apartamento era quebrado somente pelo som dos trilhos sendo puxados e empurrados conforme o irlandês buscava algo específico, mas talvez a dificuldade em encontrar o que queria se devesse mais à sua falta de concentração do que à penumbra do cômodo. Convidara o mais velho por impulso ao ouvi-lo dizer que precisava procurar um motel, e depois vira-se obrigado a insistir até que George cedesse. Levara algum tempo para corrigi-lo, sem perceber que ele dera o endereço de seu antigo apartamento ao motorista do taxi. Eram duas coisas que se relacionavam. Combinavam. George e aquele endereço, o som do nome de sua rua e o número de seu prédio na voz dele.

gavetas )

radostia: (le mão)
2012-02-21 01:05 am

joel's diner

George não tocara no waffle. Segurava o garfo e o girava de um lado para o outro, mas seus olhos estavam fixos no tampo da mesa, em algum lugar entre os dois pratos. Na verdade, o homem não lhe dissera muito desde que o reencontrara mais cedo – contara-lhe, meramente, o destino de sua viagem e o que o levava a ele, e consentira à companhia de Reuben ao não o impedir de segui-lo.
 

coffee foam )
radostia: (le beijo)
2012-02-13 05:09 pm

Vinagre

Matthew finalmente adormecera. Deitara a testa sobre a mesa, aparada por uma das toalhas remanescentes, gemera, contradissera-o, exclamara já com menos fervor algumas calúnias e, com um suspiro, calara-se, rendido à fadiga.

vermelhidão )

radostia: (le espreguiçar)
2012-01-28 02:13 pm

Primeira Manhã i

A claridade atravessava a vidraça das janelas cerradas e se espalhava pelo quarto, e daria um ar de leveza ao aposento se a temperatura dentro dele fosse mais amena. Fora o calor que o fizera abrir os olhos, não a manhã em suas horas avançadas, e o peso sobre seu corpo que dificultava seus movimentos para livrar-se das cobertas. O suspiro raivoso com que despertara desfez-se ao reconhecer a cabeça em seu estômago, e, subitamente, o ar denso não o incomodava tanto.



( Horas avançadas )
radostia: (les patitas)
2012-01-20 10:16 am

Leque de Papel

Damián pareceu surpreso ao vê-lo ali, mas seus lábios não deixaram de se curvar. O inglês ergueu uma das mãos num cumprimento silencioso e esperou enquanto o outro trocava algumas palavras com o maître. Riram de algo, Allan o apontou, comentaram algo mais e o espanhol encontrou seu caminho até a mesa à qual Anthony sentava, uma das mais próximas às janelas. Sua mão apertou o ombro do mais novo ao puxar uma cadeira e sentar-se ao seu lado.



( morangos para viagem )
radostia: (le gorro)
2012-01-01 03:23 pm

baby, you're a firework iv

Os lábios separados de Matthew permaneceram mudos, embora parte de sua mente exigisse que algo fosse dito. Sua mão tateou o chão até encontrar a taça da qual bebia e a elevou até os lábios, que, depois de sorverem o champagne, assumiram a forma de seu mais canino sorriso. Os olhos então desviaram-se da cena enquanto despejava mais da bebida na taça e encontrava o olhar do homem ao seu lado. Allan divertia-se, provavelmente mais por pensar nos rostos dos outros dois dali a minutos do que pela situação em si, e a expressão no rosto do McCollough mais velho o divertiu ainda mais.

a sip of champagne )